Segunda-feira, 20 de novembro de 2017 -

Vigilância Epidemiológica confirma morte por H1N1 em Blumenau

Compartilhe

Um homem de 62 anos, morador da cidade de Rio do Sul e que estava internado desde o dia 24 de maio em um hospital de Blumenau, faleceu na última sexta-feira, dia 27, em decorrência da gripe A. A vítima, apesar de ter morrido no município, é registrada epidemiologicamente onde era residente. O resultado do exame foi confirmado na manhã desta segunda-feira, dia 30, pelo Laboratório Central de Saúde Pública (LACEN) de Florianópolis.

Blumenau tem outros seis registros de morte por H1N1 este ano, todos de pessoas residentes no município. Atualmente o município contabiliza 53 casos positivos de H1N1, incluídos os seis óbitos. Os casos suspeitos somam 32, que ainda aguardam resultados dos exames.

Outro homem, com suspeita de gripe A, também morreu no mesmo dia, mas a Vigilância ainda aguarda resultado do exame laboratorial. Ele estava internado desde o dia 16 de maio, tinha 63 anos, era morador da Vila Itoupava e não havia tomado a vacina.

A última morte por gripe A no município foi registrada no dia 12 de maio e a vítima foi um homem de 53 anos. A quinta vítima, uma mulher de 32 anos, faleceu em 19 de abril. A quarta morte registrada foi a de um homem de 73 anos, no dia 8 de abril. Já a terceira vítima era uma mulher de 60 anos que estava internada na UTI de um hospital de Brusque e faleceu no dia 1º de abril. As duas primeiras mortes foram registradas entre os dias 26 e 27 de março: uma mulher de 48 anos e um homem de 43, que estavam cerca de três semanas em UTIs de hospitais da cidade.

Vacinação

A Campanha Nacional de Vacinação contra Influenza terminou no dia 20 de maio, mas as gestantes que ainda não se vacinaram e as crianças maiores de seis meses e menores de cinco anos ainda podem procurar uma das 46 salas de vacina do município para receber a imunização.

Por enquanto, as doses que não foram aplicadas estão disponíveis para esses dois grupos. A aplicação da vacina do H1N1 em qualquer outro grupo precisa de indicação e autorização do Ministério da Saúde.

Foto 01

Compartilhe
COMENTAR COM O FACEBOOK:
Não temos controle sobre os comentários pelo Facebook

Comentar sem o Facebook

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *