Rádio Clube De Blumenau Blumenau tem cerca de 30% menos casos novos de HIV este ano ⋆ Radio Clube de Blumenau Rádio Clube De Blumenau
AO VIVO
Quarta-feira, 30 de setembro de 2020 -

Blumenau tem cerca de 30% menos casos novos de HIV este ano

Há 30 anos o 1º de Dezembro marca o Dia Mundial de Luta contra a AIDS. E em Blumenau números da Secretaria de Promoção da Saúde (Semus), por meio do Centro Especializado em Diagnóstico e Prevenção (Cedap), mostram que há uma diminuição nos novos casos detectados, entre residentes de Blumenau. Em 2018 a redução foi de quase 30%, se comparado ao mesmo período do ano passado, entre janeiro e outubro.

Desde 2009 não se tinha registro de menos de 130 casos novos durante o ano, quando foi detectado que 127 pessoas contraíram o vírus HIV na cidade. Em 2017 foram 202 diagnósticos novos e até o mês de outubro o município registrou 130 casos. Atualmente cerca de 2.700 pacientes fazem acompanhamento no Cedap para tratamento do HIV/AIDS.

Apesar da incidência menor, o médico infectologista Ivan Leal de Moura Junior explica que os números nem sempre são um reflexo da realidade. Uma das causas é que nem todos os pacientes procuram o SUS para diagnóstico e tratamento. “Cento e trinta novos casos ainda é um número considerado alto. Muitas pessoas só procuram voluntariamente o serviço quando se expõem a situações de risco ou têm algum sintoma. Muitos têm receio do diagnóstico, medo da rejeição.”, explica Ivan. O médico também aponta os fluxos migratórios como um viés das estatísticas, considerando que pacientes soropositivos de outras cidades e regiões procuram o serviço do Cedap para tratamento e não são contabilizados como casos novos por já terem sido diagnosticados. “Mas um número menor na incidência é sim um fato positivo para o município”, avalia o infectologista.

Como forma de evitar o aumento da incidência da doença, que este ano em Blumenau teve prevalência na população entre 20 e 34 anos, a prevenção segue sendo extremamente importante. O uso de preservativo durante as relações sexuais, bem como a utilização de seringas e agulhas descartáveis; e ainda o uso de luvas para manipular feridas e líquidos corporais, são medidas que evitam a transmissão.

COMENTAR COM O FACEBOOK:
Não temos controle sobre os comentários pelo Facebook

Comentar sem o Facebook

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

?