Rádio Clube De Blumenau Sindicatos de Blumenau cobram audiência com prefeito para pedir lockdown ⋆ Radio Clube de Blumenau Rádio Clube De Blumenau
AO VIVO
Sábado, 12 de junho de 2021 -

Sindicatos de Blumenau cobram audiência com prefeito para pedir lockdown

Uma reunião entre representantes de sindicatos de trabalhadores de Blumenau e o secretário municipal de Administração, Anderson Rosa, foi realizada na tarde desta quinta-feira, 18. Ao todo, 19 entidades sindicais cobram uma audiência com o prefeito para falar sobre as ações do município.

Um ofício já foi protocolado no gabinete de Mário Hildebrandt. O documento traz a posição das entidades, que são a favor de um lockdown de 14 dias. Além da imunização da população, especialmente dos trabalhadores.

“Caso não haja o lockdown, o governo municipal assume a responsabilidade sobre a triste história de mais mortes precoces, de pessoas cujas vidas importam, que trabalham, pagam seus impostos, amam e sonham com a possibilidade de um futuro”, afirma o documento.

De acordo com o Sintraseb, Anderson Rosa disse que esperava que o governo estadual estabelecesse fosse mais rigoroso nas restrições. O secretário também reforçou que o governo municipal tem ouvido todos os setores e que é preciso entender que cada ação possui uma série de repercussões.

Rosa relatou que reuniões diárias estão sendo realizadas com os hospitais da cidade. Ele também se comprometeu a levar a discussão para o secretário de promoção à saúde, Winnetou Krambeck, e ao prefeito.

Para os representantes dos trabalhadores, não há dúvidas que o cenário vai piorar nas próximas duas semanas e medidas urgentes precisam ser tomadas. Apenas nesta quinta-feira, sete mortes foram registradas, além de 216 novos casos. Este é o pior número desde o início da pandemia.

“Ou paramos para salvar vidas, porque todas as vidas importam, ou seremos tragicamente atropelados por uma realidade que já estamos vivendo, com filas à espera de vagas de UTI e os trabalhadores da saúde tendo que escolher quem poderá ter mais chances de lutar pela vida”, concluíram.

COMENTAR COM O FACEBOOK:
Não temos controle sobre os comentários pelo Facebook

Comentar sem o Facebook

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

?