Rádio Clube De Blumenau Senador de Blumenau lidera grupo de parlamentares para cobrar andamento de obras federais no Estado ⋆ Radio Clube de Blumenau Rádio Clube De Blumenau
AO VIVO
Segunda-feira, 10 de dezembro de 2018 -

Senador de Blumenau lidera grupo de parlamentares para cobrar andamento de obras federais no Estado

 

Foto 01O Fórum Parlamentar Catarinense, coordenado pelo senador Dalirio Beber (PSDB-SC), se reuniu por mais de duas horas, na noite de terça-feira (7), com o ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella Lessa, a fim de apresentar ao ministro, as principais dificuldades das obras federais em andamento, e de maior urgência para Santa Catarina, incluindo portos, aeroportos, vias, rodovias e ferrovias.

“Temos um conjunto de rodovias federais, por exemplo, que são de extrema importância para garantir o estágio atual de desenvolvimento do nosso estado, mas sobretudo, para nos permitir que continuemos a crescer e a contribuir para o desenvolvimento do país, uma vez que o nosso estado tem sido extremamente positivo, no que diz respeito a contribuição com o tesouro nacional”, justificou Dalirio.

A bancada catarinense levou ao ministro a situação das obras nas BR-101, BR-282, BR -285, BR -258, BR- 153, BR- 163, BR -470, BR- 280, e entregou ao Ministério, um estudo completo, elaborado pela Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina– FIESC sobre seu sistema rodoviário, que é vital para o desenvolvimento do estado.

Os parlamentares presentes foram unânimes ao apontar como prioridade máxima, a duplicação da BR-470, conhecida como rodovia da morte, e que já foi prometida por vários ministros que antecederam o atual ministro, e pela própria presidente afastada, Dilma Rousseff.

Foi apresentada também a situação das obras e concessões dos aeroportos de Florianópolis, Navegantes, Chapecó, Forquilhinha, Jaguaruna, Lages, Joinville e Joaçaba.

A situação dos portos, principalmente do único porto público, que é o de Itajaí. E ainda, as obras das ferrovias Norte/Sul, Leste/Oeste e Litorânea.

O ministro Quintella Lessa adiantou que a situação é grave, no que diz respeito à capacidade de investimentos, e que se não tivesse sido aprovada a revisão da meta fiscal, a sua pasta teria apenas 1 bilhão de reais de orçamento para 2016.

“Se não tivesse a reavaliação da meta fiscal, teríamos um ano perdido. Nosso objetivo é, pelo menos, voltar ao nível de investimento do ano passado, algo em torno de 8 bilhões. Estamos aguardando uma posição final da equipe econômica do governo, para, a partir da visualização desse diagnóstico do orçamento, possamos estabelecer as prioridades através de um planejamento integrado”, adiantou o ministro.

Para o Ministério, as prioridades da pasta para onde deve ser encaminhado o orçamento, são as concessões, em parceria com o setor privado, a manutenção de malha viária, finalizar as obras com alto grau de execução, e o andamento de obras emblemáticas para o país.

“Temos a consciência da importância do estado de Santa Catarina no cenário econômico nacional e pretendemos ter essa resposta do orçamento até o fim deste mês, para, a partir daí, sabermos onde e como fazer os repasses”, concluiu o ministro.

“A economia do Estado está parada! Temos um modelo de economia diferenciado e precisamos avançar em diversas obras de infraestrutura que impedem o crescimento e o escoamento da produção catarinense”, destacou o coordenador do Fórum, Dalirio Beber.

Além do ministro e do coordenador do Fórum, estavam presentes na reunião, os senadores Paulo Bauer e Dário Berger, a deputada Carmen Zanotto, a prefeita de Bombinhas, Ana Paula da Silva, a secretária de Articulação Nacional de Santa Catarina, Lourdes Corada Martini, os deputados Esperidião Amin, Ronaldo Benedet, Mauro Mariani, Marco Tebaldi, João Rodrigues, Celso Maldaner, Edinho Bez e Jorginho Mello. Além do vice-presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, e técnicos da Engenharia, Construções e Ferrovias – Valec, do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes – DNIT, da Agência Nacional de Transportes Terrestres – ANTT, e da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária – Infraero.

COMENTAR COM O FACEBOOK:
Não temos controle sobre os comentários pelo Facebook

Comentar sem o Facebook

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

?