Segunda-feira, 25 de setembro de 2017 -

Prefeitura orienta sobre cuidados durante a elevação do nível do rio

Compartilhe

A Prefeitura de Blumenau, por meio da Secretaria de Promoção da Saúde (Semus), orienta à comunidade sobre os cuidados que devem ser tomados para evitar contrair doenças durante a elevação do nível do Rio Itajaí-Açu. Em especial, na prevenção da leptospirose, que está presente na urina contaminada de animais, principalmente de ratos.

Para isso, deve-se evitar o contato com a água da enchente. Deve-ser fazer uso de botas e luvas durante o trabalho em áreas com água possivelmente contaminada. Se isso não for possível, usar sacos plásticos duplos amarrados nas mãos e nos pés pode ajudar. Também é importante ferver a água de consumo humano ou tratá-la com uma solução de hipoclorito. A medida é  2 gotas por litro de água. Após a mistura, é necessário esperar meia hora para beber o líquido.

As caixas d’água também devem receber atenção especial neste período de elevação do nível do rio. Deve-se evitar o uso de água sanitária com alvejante para a limpeza das mesmas. Além disso, devem ser esvaziadas e lavadas, esfregando bem as paredes e o fundo. Após acabar de limpar, adicionar 1 litro de hipoclorito para cada mil litros de água no reservatório.

Animais

A Semus também orienta à comunidade sobre a atenção especial aos animais de estimação, principalmente para quem reside em áreas de risco. O Animal deve ser levado para um local alto e longe do contato com a água da enchente. Além disso, não deve ficar amarrado em locais que ofereçam risco de choque elétrico, como postes de luz, por exemplo, ou ainda em locais onde ele possa se molhar com a chuva.

Os proprietários também devem cuidar para que a alimentação do animal não fique em contato com á água da enchente ou mesmo à mercê da água da chuva. O objetivo é impedir que o animal contraia doenças como a leptospirose, por exemplo. A Semus também reforça que alguns abrigos do município vão oferecer locais para abrigar os animais de forma adequada.

Leptospirose
Os sintomas iniciais podem ser semelhantes aos da gripe, provocando febre, calafrios, dor de cabeça, mal-estar e dores no corpo. Um sintoma bastante característico é uma forte dor nas panturrilhas (batata da perna). A leptospirose pode levar a quadros graves, com sangramento pelo nariz, vômito ou escarro com sangue, pele amarelada (icterícia) e diminuição da urina.

Pessoas que tiverem esses sintomas até 40 dias depois dos alagamentos devem procurar uma unidade de saúde. É fundamental que o paciente informe ao médico se teve contato com a água ou com a lama. A bactéria penetra no corpo através de machucados e até mesmo da pele sadia quando a pessoa fica muito tempo dentro da água. Por isso, o risco é maior em épocas de enchentes e alagamentos.

Medidas de prevenção

– O chão, paredes e objetos devem ser lavados e desinfetados com água sanitária, na proporção de dois copos (400 ml) do produto para um balde de 20 litros de água, deixando agir por 10 minutos.

– Alimentos que tiveram contato com a água dos alagamentos não devem ser consumidos e precisam ser descartados adequadamente.

– A água de beber deve ser fervida durante 15 minutos ou pode ser tratada com 2 gotas de hipoclorito de sódio a 2,5% para cada litro de água.

– É importante limpar e desinfetar a caixa d’água com uma solução de água sanitária.

Limpeza caixa d’água:

Use uma solução de hipoclorito de sódio, encontrado em casas especializadas em produtos de limpeza. Evite a água sanitária com alvejante.

Esvazie e lave a caixa d’água, esfregando bem as paredes e o fundo;

Após acabar de limpar, adicionar 1 litro de hipoclorito para cada mil litros de água no reservatório;

Depois, abra a entrada principal e encha a caixa d’água com água limpa;

Após 30 minutos, abra as torneiras por alguns segundos para entrar água na tubulação;

Aguarde uma hora e trinta minutos para a desinfecção;

Abra novamente as torneiras. A água utilizada nesta última etapa de desinfecção pode servir para a limpeza de chãos e paredes.

(Fonte: DIVE/SC)

Compartilhe
COMENTAR COM O FACEBOOK:
Não temos controle sobre os comentários pelo Facebook

Comentar sem o Facebook

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *